Sobre o Pier X

NOSSO MUNDO É VIVER O MUNDO

Sonho que se sonha junto é realidade. E se esse "junto" for com vários malucos inquietos que enxergam mais o resultado do que o risco ou o esforço? [Guga Schifino, CEO].

Nesse cenário, nasce o Pier Experience - que chamaremos, a partir de agora, de Pier X. Uma plataforma voltada para a experiência, que parte de um conceito simples e crescente: as pessoas estão se movimentando mais por prazer e menos por necessidade.

Arte, gastronomia gostosa e saudável, consumo consciente, atenção à comunidade, música, ideias novas e lançamentos estão voando juntos nas asas do pelicano - símbolo da Trópico que nos acompanha também por aqui. E se misturam em um espaço inédito de compartilhamento, com duração de 18 meses. Uma pop-up que faz muito sentido na era pós-digital em que vivemos.

O Pier X é o primeiro marketplace phigital com propósito do Brasil. Explicando melhor: físico porque estar presente é fundamental para a experiência, para a construção das relações. Também é digital, pois tudo é integrado em uma plataforma tecnológica. E com propósito, porque tudo aqui faz sentido na busca por viver melhor - com boa energia e em contato com a natureza.

Sobre a Pier X

Nosso mundo
é viver o mundo

ACREDITAMOS QUE EQUILÍBRIO
É MAIS IMPORTANTE DO QUE ACUMULAÇÃO

No Pier X, a tecnologia é uma peça importante, mas como um meio - exatamente como deve ser. Queremos maneiras mais inteligentes, práticas, seguras e prazerosas de fazer as coisas. Exemplos? Estamos entre os primeiros lugares do mundo a utilizar somente moeda digital; nossa operação não tem garçons ou filas. O foco é tornar momentos aqui mais agradáveis.

Talvez estejamos falando de um quarto setor de atividade da sociedade, adicionando aos conhecidos indústria, serviço e varejo o ramo da experiência: fusão de todos os anteriores, voltado à otimização dos processos e às causas nas organizações. A sociedade, assim, pode identificar o que faz ou não sentido para, a partir daí, criar um círculo virtuoso de desenvolvimento humano. Não custa sonhar, né?